sábado, 16 de maio de 2020

Bitcoin como uma moeda deflacionária

Há um problema em limitar qualquer moeda em um determinado nível, e se o Bitcoin fosse uma moeda como qualquer outra, ele estaria provavelmente em uma espiral da morte.

Em economia, a teoria geral sugere que a oferta de moeda deve aumentar ou diminuir para corresponder à necessidade de dinheiro na economia. Se houver mais atividade econômica, é preciso haver mais dinheiro em circulação; se houver menos atividade econômica, deve haver menos dinheiro em circulação.

A razão para isso é garantir a estabilidade dos preços.

Nos sistemas fiduciários do mundo, os bancos centrais utilizam uma variedade de mecanismos para ajustar a oferta de moeda. Pode-se argumentar que os bancos centrais não são muito bons nisso, já que quase todos geram alguma inflação na oferta de moeda além do que a economia precisa, o que significa que os preços dos bens aumentam gradualmente e o poder de compra diminui.

Quando há inflação, pessoas racionais não se apegam ao dinheiro porque ele está perdendo valor. Em vez disso, investem dinheiro em terras, ouro, Bitcoin, ações, títulos ou outras coisas.

Em algumas épocas da história, as economias viram deflação na oferta de moeda. A Grande Depressão foi uma. Quando há deflação, o dinheiro se torna mais valioso. Os preços das mercadorias começam a cair. Quando há deflação, pessoas racionais gastam seu dinheiro porque seu valor está subindo. Eles não investem. Eles vendem outros ativos, como ações.

O Bitcoin é, agora e no longo prazo, uma moeda deflacionária. A oferta de dinheiro não está aumentando com a demanda ou o uso econômico, portanto o valor do dinheiro está subindo. Isso significa que as pessoas estão segurando o Bitcoin em vez de usá-lo ou investi-lo em outras coisas.

Essa é uma explicação muito simplista e, se você estiver interessado, encorajo-o a ler sobre economia, Bitcoin e suprimento de dinheiro.